segunda-feira, 29 de novembro de 2010

Ithaca - Constantine P. Cavafy


When you set out on your journey to Ithaca,
pray that the road is long,
full of adventure, full of knowledge.
The Lestrygonians and the Cyclops,
the angry Poseidon -- do not fear them:
You will never find such as these on your path,
if your thoughts remain lofty, if a fine
emotion touches your spirit and your body.
The Lestrygonians and the Cyclops,
the fierce Poseidon you will never encounter,
if you do not carry them within your soul,
if your soul does not set them up before you.

Pray that the road is long.
That the summer mornings are many, when,
with such pleasure, with such joy
you will enter ports seen for the first time;
stop at Phoenician markets,
and purchase fine merchandise,
mother-of-pearl and coral, amber, and ebony,
and sensual perfumes of all kinds,
as many sensual perfumes as you can;
visit many Egyptian cities,
to learn and learn from scholars.

Always keep Ithaca on your mind.
To arrive there is your ultimate goal.
But do not hurry the voyage at all.
It is better to let it last for many years;
and to anchor at the island when you are old,
rich with all you have gained on the way,
not expecting that Ithaca will offer you riches.

Ithaca has given you the beautiful voyage.
Without her you would have never set out on the road.
She has nothing more to give you.

And if you find her poor, Ithaca has not deceived you.
Wise as you have become, with so much experience,
you must already have understood what these Ithacas mean.

quarta-feira, 17 de novembro de 2010

Menina Júlia, August Strindberg

"Johan August Strindberg ( pronounced (help·info) (22 January 1849 – 14 May 1912) was a Swedish playwright and writer. He is arguably the most influential of all Swedish authors, and one of the most influential Scandinavian authors, along with Knut Hamsun, with whom he fraternized while in Paris during the mid 1890s, Henrik Ibsen, Søren Kierkegaard and Hans Christian Andersen. Strindberg is known as one of the developers of modern theatre. His work is of two major literary styles, Naturalism and Expressionism."


"Strindberg concentra a acção de Menina Júlia, comprimida em dois dias, num único espaço e desenvolve-a apenas num acto. " 


"Em Menina Júlia, encontramos nós, segundo Yann Martel, «diálogos tão brilhantes e plenos de tensão, aparentemente tão simples, e indiciando, no entanto, tal tumulto e complexidade, que, paradoxalmente, nos parecem perfeitamente naturais»."


""Menina Júlia", de Strindberg, mostra como é preciso muito pouco para que o poder mude de mãos. E depois volte a mudar. E mude ainda outra vez. "


"O poder dos outros sobre nós não depende da classe social ou do sexo - depende sobretudo do momento em que a vida deles se cruza com a nossa. A menina Júlia não sabia disso. Mas descobriu."



" "Estas são personagens instáveis, como todos nós, e mudam constantemente", diz Rui Mendes. "Nunca sabemos onde está a inocência e onde está a culpa, onde está a agressividade e onde está o medo, a fuga. É por isso que esta é uma peça que será sempre actual enquanto houver seres humanos."
Apesar de ter sido escrita em 1888 e de ter na base uma questão de classes (que Strindberg, filho de um aristocrata falido e de uma antiga empregada doméstica, conhecia bem), "Menina Júlia" é muito mais do que a história do criado que sonha ascender e da filha do conde atraída pela queda.
"Strindberg é um dos iniciadores do teatro moderno, que abandona as personagens monolíticas, muito tipificadas, sem altos e baixos", continua o encenador. "E esta peça é de uma época de transformações extraordinárias, com lutas sociais, a luta pela libertação da mulher, em que se começam a analisar os comportamentos, a alma, o carácter dos indivíduos."  "

quarta-feira, 15 de setembro de 2010

O MITO DE SÍSIFO





 




 in Albert Camus (Ensaio sobre o Absurdo)

          
                      Os deuses tinham condenado Sísifo a rolar um rochedo incessantemente até o cimo de uma montanha, de onde a pedra caía de novo por seu próprio peso. Eles tinham pensado, com as suas razões, que não existe punição mais terrível do que o trabalho inútil e sem esperança.
Se acreditarmos em Homero, Sísifo era o mais sábio e mais prudente dos mortais. Segundo uma outra tradição, porém, ele tinha queda para o ofício de salteador. Não vejo aí contradição. Diferem as opiniões sobre os motivos que lhe valeram ser o trabalhador inútil dos infernos. Reprovam-lhe, antes de tudo, certa leviandade para com os deuses. Espalhou os segredos deles. Egina, filha de Asopo, foi raptada por Júpiter. O pai, abalado por esse desaparecimento, se queixou a Sísifo. Este, que tomara conhecimento do rapto, ofereceu a Asopo orientá-lo a respeito, com a condição de que fornecesse água à cidadela de Corinto. Às cóleras celestes ele preferiu a bênção da água. Foi punido por isso nós infernos. Homero nos conta ainda que Sísifo acorrentara a Morte. Plutão não pôde tolerar o espetáculo de seu império deserto e silencioso. Despachou o deus da guerra, que libertou a Morte das mãos de seu vencedor.
Diz-se também que Sísifo, estando prestes a morrer, imprudentemente quis pôr à prova o amor de sua mulher. Ele lhe ordenou jogar o seu corpo insepulto em plena praça pública. Sísifo se recobrou nos infernos. Ali, exasperado com uma obediência tão contrária ao amor humano, obteve de Plutão o consentimento para voltar à terra e castigar a mulher. Mas, quando ele de novo pôde rever a face deste mundo, provar a água e o sol, as pedras aquecidas e o mar, não quis mais retornar à escuridão infernal. Os chamamentos, as iras, as advertências de nada adiantaram. Ainda por muitos anos ele viveu diante da curva do golfo, do mar arrebentando e dos sorrisos da terra. Foi necessária uma sentença dos deuses. Mercúrio veio apanhar o atrevido pelo pescoço e, arrancando-o de suas alegrias, reconduziu-o à força aos infernos, onde seu rochedo estava preparado.
Já deu para compreender que Sísifo é o herói absurdo. Ele o é tanto por suas paixões como por seu tormento. O desprezo pelos deuses, o ódio à Morte e a paixão pela vida lhe valeram esse suplício indescritível em que todo o ser se ocupa em não completar nada. É o preço a pagar pelas paixões deste mundo. Nada nos foi dito sobre Sísifo nos infernos. Os mitos são feitos para que a imaginação os anime. Neste caso, vê-se apenas todo o esforço de um corpo estirado para levantar a pedra enorme, rolá-la e fazê-la subir uma encosta, tarefa cem vezes recomeçada. Vê-se o rosto crispado, a face colada à pedra, o socorro de uma espádua que recebe a massa recoberta de barro, e de um pé que a escora, a repetição na base do braço, a segurança toda humana de duas mãos cheias de terra. Ao final desse esforço imenso medido pelo espaço sem céu e pelo tempo sem profundidade, o objetivo é atingido. Sísifo; então, vê a pedra desabar em alguns instantes para esse mundo inferior de onde será preciso reerguê-la até os cimos. E desce de novo para a planície.
É durante esse retorno, essa pausa, que Sísifo me interessa. Um rosto que pena, assim tão perto das pedras, é já ele próprio pedra! Vejo esse homem redescer, com o passo pesado, mas igual, para o tormento cujo fim não conhecerá. Essa hora que é como uma respiração e que ressurge tão certamente quanto sua infelicidade, essa hora é aquela da consciência. A cada um desses momentos, em que ele deixa os cimos e se afunda pouco a pouco no covil dos deuses, ele é superior ao seu destino. É mais forte que seu rochedo.
Se esse mito é trágico, é que seu herói é consciente. Onde estaria, de fato, a sua pena, se a cada passo 0 sustentasse a esperança de ser bem-sucedido? O operário de hoje trabalha todos os dias de sua vida nas mesmas tarefas e esse destino não é menos absurdo. Mas ele só é trágico nos raros momentos em que se torna consciente. Sísifo, proletário dos deuses, impotente e revoltado, conhece toda a extensão de sua condição miserável: é nela que ele pensa enquanto desce. A lucidez que devia produzir o seu tormento consome, com a mesma força, sua vitória. Não existe destino que não se supere pelo desprezo.
Se a descida, assim, em certos dias se faz para a dor, ela também pode se fazer para a alegria. Esta palavra não está demais. Imagino ainda Sísifo indo outra vez para seu rochedo, e a dor estava no começo. Quando as imagens da terra se mantêm muito intensas na lembrança, quando o apelo da felicidade se faz demasiadamente pesado, acontece que a tristeza se impõe ao coração humano: é a vitória do rochedo, é o próprio rochedo. O enorme desgosto é pesado demais para carregar. São nossas noites de Getsêmani. Mas as verdades esmagadoras perecem ao serem reconhecidas. Assim, Édipo de início obedece ao destino sem o saber. A partir do momento em que ele sabe, sua tragédia principia. Mas no mesmo instante, cego e desesperado, reconhece que o único laço que o prende ao mundo é ó frescor da mão de uma garota. Uma fala descomedida ressoa então: "Apesar de tantas experiências, minha idade avançada e a grandeza da minha alma me fazem achar é que tudo está bem”. O Édipo de Sófocles, como o Kirílov de Dostoiévski, dá assim a fórmula da vitória absurda. A sabedoria antiga torna a se encontrar com o heroísmo moderno.
Não se descobre o absurdo sem ser tentado a escrever algum manual de felicidade. "Mas como, com umas trilhas tão estreitas?" No entanto, só existe um mundo. A felicidade e o absurdo são dois filhos da mesma terra. São inseparáveis. O erro seria dizer que a felicidade nasce forçosamente da descoberta absurda. Ocorre do mesmo modo o sentimento do absurdo nascer da felicidade. "Acho que tudo está bem", diz Édipo, e essa fala é sagrada. Ela ressoa no universo feroz e limitado do homem. Ensina que tudo não é e não foi esgotado. Expulsa deste mundo um deus que nele havia entrado com a insatisfação e o gosto pelas dores inúteis. Faz do destino um assunto do homem e que deve ser acertado entre os homens.
Toda a alegria silenciosa de Sísifo está aí. Seu destino lhe pertence. Seu rochedo é sua questão. Da mesma forma o homem absurdo, quando contempla o seu tormento, faz calar todos os ídolos. No universo subitamente restituído ao seu silêncio, elevam-se as mil pequenas vozes maravilhadas da terra. Apelos inconscientes e secretos, convites de todos os rostos, são o reverso necessário e o preço da vitória. Não existe sol sem sombra, e é preciso conhecer a noite. O homem absurdo diz sim e seu esforço não acaba mais. Se há um destino pessoal, não há nenhuma destinação superior ou, pelo menos, só existe uma, que ele julga fatal e desprezível. No mais, ele se tem como senhor de seus dias. Nesse instante sutil em que o homem se volta sobre sua vida, Sísifo, vindo de novo para seu rochedo, contempla essa seqüência de atos sem nexo que se torna seu destino, criado por ele, unificado sob o olhar de sua memória e em breve selado por sua morte. Assim, convencido da origem toda humana de tudo o que é humano, cego que quer ver e que sabe que a noite não tem fim, ele está sempre caminhando. O rochedo continua a rolar.
Deixo Sísifo no sopé da montanha! Sempre se reencontra seu fardo. Mas Sísifo ensina a fidelidade superior que nega os deuses e levanta os rochedos. Ele também acha que tudo está bem. Esse universo doravante sem senhor não lhe parece nem estéril nem fútil. Cada um dos grãos dessa pedra, cada clarão mineral dessa montanha cheia de noite, só para ele forma um mundo. A própria luta em direção aos cimos é suficiente para preencher um coração humano. É preciso imaginar Sísifo feliz.

sexta-feira, 27 de agosto de 2010

Cows Can Be Purple


Cows Can Be Purple

My grandmother was born in an ethnic neighborhood of  Chicago in 1900 and had never seen a live cow growing up. In first grade her class was given cut-out farm animals and told to trace and color them. She had a cow to draw and painted it purple because she liked the color purple. The teacher ridiculed my grandmother for coloring a cow purple and exclaimed that ‘cows aren’t purple’. The teacher ripped up the cow in front of the class and told my grandmother to start over, this time painting the cow brown or black.
Luckily for my grandmother, at age ten her best friend convinced my grandmother to take an art class with her. From there my grandmother found a deep life long passion for art. She went on to study in France and become a professional painter, and later in the 1960’s, she became a pioneer in the field of art therapy.  My grandmother’s biography, written when she was in her 80′s, was called “Cows Can Be Purple”.   My grandmother was able to move past the message quite clearly given to her that she should not be creative in what she drew.  
Were you ever given messages of what you can’t do?  Are you still carrying around those messages? Perhaps when you were young, adults you trusted or respected squashed a dream or stifled your ideas.  You may know people who have had their dreams stepped on or who put a box around their ambitions because it wasn’t accepted by others.  Too many times we carry those messages of what we can’t do with us for years, never examining or questioning whether they are true for us or not.   What a waste of potential talent, energy, and joy.
I will write several blogs about the self-limiting beliefs we carry and how those hold us back from fully living and being true to our passions and purpose.  For now I want to invite you to step into the potential that awaits you.  What possibilities are there that you’ve been waiting to explore?
Here are some suggestions for looking at the world through the lens of potential and possibility. First, challenge your mental framework by asking yourself – What If? 
*  What if I didn’t buy into a self-limiting belief about myself –that I’m unmotivated, not smart enough, unloved etc.
*  What if I stopped seeking other people’s approval or stopped worrying about disappointing others?
*  What if I was infinitely supported by the Universe to follow my soul’s calling?
*  What if I believed I was talented, loved, lovable, creative? How would I live if that were so?
 Try these questions out for a while and see what bubbles up for you.  Maybe you’ll hear that inner calling to try something that you’ve been thinking of doing for some time.  Perhaps you’ll feel the nudge that’s been pushing you to step out a bit farther into the unknown.  See if there are things rumbling in your soul that you feel you need to discover. Answer these questions and sit with what stirs for you.  
I leave you these words from the poet Rumi:
Be melting snow, wash yourself of yourself.
A white flower grows in the quietness,
Let your tongue become that flower.

terça-feira, 17 de agosto de 2010

Ricordati di me

Filme de 2002
Paz podre, lutar pelo Sim ou ficar confortavelmente no Não.








Paolo: Valentina, dimmi la verità, che pensi di me? Come sono visto da fuori?
Valentina: Lo sai cosa penso di te.
Paolo: Dimmelo ancora.
Valentina: Penso che sei anonimo e inespressivo, quando parli sembra che c'hai uno strofinaccio in bocca e non si capisce un cazzo, non ti lavi e ti vesti da sfigato di sinistra quando il mondo va tutto da un'altra parte. Questo penso.
Paolo: Nient'altro?
Valentina: No, a posto così.

segunda-feira, 16 de agosto de 2010

Não confundam depressão com tristeza - PUBLICO


Não confundam depressão com tristeza

16.08.2010 - 16:00 Por Nicolau Ferreira

 A canadiana Nathalie Blanchard perdeu a baixa médica por ter colocado fotos a divertir-se com os amigos no Facebook. Sofria de depressão, doença incapacitante que também afectou António Ventura, Sandra Jesus e Sandra Gouveia - três portugueses que encararam o suicídio como um escape. Os médicos aconselham a sair de casa.
Motivos para se ter uma depressão? Muitos: mortes, questões sentimentais, conflitos, falta de trabalho, dificuldades familiares, factores genéticos e fisiológicos.

Sintomas de uma depressão? Vários tipos: angústia, tristeza, não conseguir adormecer, não conseguir sair da cama, incapacidade de resolver problemas, dores físicas.

Tratamento de uma depressão? Em sequência: aconselhamento médico, terapia, medicação, espera, vigilância. Sair de casa, apanhar ar, descomprimir, também pode ser recomendado. Foi isso que Nathalie Blanchard fez.

A canadiana de 29 anos foi atingida pela depressão no ano passado. "Foi-me diagnosticada uma depressão em Fevereiro de 2009. Sofri uma sobrecarga de trabalho. Estava a construir uma casa, estava a frequentar o CEGEP (Colégio de Ensino Geral e Profissional do Quebeque) para a IBM [a empresa onde está empregada], além do meu horário de trabalho normal. O cansaço veio à tona o que me conduziu à depressão", disse à Pública via Facebook.

Ficou de baixa médica, com apoio mensal de uma seguradora. Em Novembro, as fotografias que publicou na rede social mais famosa da Internet fizeram dela notícia pelo pior motivo: a seguradora tomou as imagens como uma prova de que ela não estava doente. Nathalie Blanchard na noite com os amigos + Nathalie Blanchard na praia = a Nathalie Blanchard curada. Resultado, ficou sem o seguro.

A primeira parte desta história podia passar-se cá. Segundo um estudo sobre saúde mental que acabou há poucos meses, durante o ano de 2009, 7,9 por cento da população sofreu de uma prevalência depressiva.

"A depressão é uma das doenças com impacto maior a nível de incapacidade", explica-nos José Miguel Barros Caldas de Almeida, coordenador nacional para a saúde mental. "Em termos de anos de vida vivida com incapacidade é a doença a nível mundial que está em primeiro lugar e em termos de tempo de vida perdida por morte ou por incapacidade está em primeiro lugar nos países desenvolvidos".

António Ventura faz parte destes números. O técnico informático com 60 anos, viveu os últimos dez submetido à doença. No Verão de 2005 chegou ao limite. "Fui internado porque já foi uma situação extrema, na prática já não fazia nada", disse à Pública.

Durante cinco semanas esteve na Clínica de São José. Com a depressão "perdem-se os ritmos todos, todas as coisas que fazem parte da nossa rotina diária", referiu. A clínica voltou a dar-lhe horas para tudo: acordar, tomar as refeições, ter momentos de lazer, deitar. Não foi o fim da doença, mas serviu como alavanca para a saída do poço.

Um estigma que existe

"A depressão é algo que dá um sofrimento total à pessoa", afirmou à Pública Alice Nobre, médica psiquiatra e responsável por um dos sectores do Hospital Júlio de Matos. "Para um deprimido estar a tomar uma água na esplanada é um processo muito doloroso, o doente está sem esperança, quer estar sossegado", disse, aludindo às situações de "depressão major", que são as mais graves.

Há uma percentagem significativa que pode ultrapassar as situações de depressão. O problema, segundo esta médica, é não estarmos habituados a reconhecer em nós e nos outros sinais de que algo está mal. As mudanças de comportamento podem ser interpretadas como mau-humor ou até agressividade. O estigma que ainda existe em relação às doenças mentais impede muitos doentes de darem o primeiro passo para o tratamento.

"Infelizmente a nossa sociedade não está preparada para enfrentar ou acompanhar pessoas com problemas desta natureza, porque chamam-nos preguiçosos, dizem que não queremos trabalhar", lamentou-se à Pública Sandra Gouveia, 46 anos. 

Desde o início da década de 1990 que Sandra não dá aulas de matemática. Os sintomas da depressão foram surgindo gradualmente: "Comecei a cansar-me muito, a ter dificuldades de concentração, a não ter vontade de me levantar para trabalhar." A condição agravou-se e ela foi ao médico. Diagnóstico: depressão. "Naquelas alturas a tristeza é tão grande, tão profunda, parece que o mundo é a coisa mais negra que existe, perde-se a vontade de viver."Mais tarde, os médicos compreenderam que a depressão era o sintoma de um problema mais complexo, a doença bipolar - uma perturbação mental que pode ter determinantes genéticos e que faz com que as pessoas sofram de episódios de euforia, em que as sensações de alegria e felicidade são exacerbadas, alternando com episódios de depressão.

Sandra Gouveia vive mais os episódios depressivos e actualmente está medicada de modo a controlar os sintomas. Mas já sabe que anualmente, no Outono, fica mais susceptível à depressão. Hoje não encontra trabalho na sua área e o Estado não lhe dá o rendimento social de inserção porque recebe ajuda da mãe.

"Se essa senhora [referindo-se a Nathalie Blanchard] foi fotografada seja lá onde for, é muito bom sinal", assevera Sandra. "Isso quer dizer que conseguiu reagir minimamente, se [a seguradora] tinha dúvidas, que tivesse uma conversa com a pessoa e um médico psiquiatra, e conseguiria perceber se a pessoa estava a ser honesta."

A canadiana mantém um processo contra a seguradora, mas voltou a trabalhar na IBM: "A minha saúde vai bem melhor desde [o dia 25 de] Maio. Estou verdadeiramente ansiosa pelo processo, vai ser menos um stress mas estou confiante de que vai correr bem."

Em Portugal, há uma margem de manobra para estes casos. "Há nas concessões de baixa a possibilidade de pedir a saída de casa, porque os doentes precisam de socializar com outras pessoas", explicou António Leuschner, psiquiatra e presidente do conselho de administração do Hospital Magalhães Lemos, hospital psiquiátrico no Porto.

Segundo o médico Leuschner, as pessoas continuam a ter de estar em casa a determinadas horas. Esta concessão "é dada a abusos, é importante que as pessoas tenham consciência de que podem ser fiscalizadas e podem retirar-lhes o subsídio."

A psiquiatra Alice Nobre compara o regime de baixa de depressões a situações tão comuns como uma infecção urinária: "Se estiver com uma infecção urinária também pode estar de baixa e sair, mas os sintomas não dão condições para trabalhar. Mas, se for uma infecção urinária muito grave a pessoa nem sequer se consegue levantar."

A dificuldade, e esta opinião é unânime para todos os especialistas que a Pública contactou, é avaliar o grau da doença e perceber quando há aproveitamento por parte do doente. É necessário haver uma confiança entre o médico e o doente. "Muitas vezes recebemos pedidos de ajuda de médicos de clínica geral, que pedem a confirmação do diagnóstico, mas nós temos dúvidas [sobre até] onde vai a real incapacidade", exemplifica Alice Nobre.

Década difícil

O papel de doente também é importante nos casos de saúde mental. Ao contrário de doenças como a hepatite "não há exames complementares que provem que uma pessoa tem depressão", explica o psiquiatra José Manuel Jara, antigo director de serviços do Hospital Júlio de Matos. Mas acrescenta que o oposto também acontece: "Há pessoas que têm depressões graves e queixam-se pouco, nem se sabem tratar".

O próprio contexto em que a depressão ocorre pode ter influência na necessidade da baixa. "Muitas vezes estamos perante conflitos laborais, a baixa aí é uma necessidade", explicita José Manuel Jara. O psiquiatra acrescenta que uma pessoa mais frágil tem dificuldade em recuperar num ambiente negativo. "Não é por acaso que a depressão é a causa mais frequente de suicídio."

O médico podia estar a descrever a situação de António Ventura. Até aos 50 anos de idade e mais de 20 de trabalho, este informático não sabia o que era ter uma depressão. Mas um conflito constante com uma colega levou-o a querer cada vez menos sair de casa. De 2000 para 2001 esteve de baixa médica. Em 2002 sofreu uma recaída e até 2003 teve nova baixa. No ano seguinte foi trabalhar, mas um "chefe à antiga" fê-lo voltar para casa. Entre 2004 e 2008 esteve quase sempre de baixa com sucessivos episódios de depressão desencadeados pela morte de familiares próximos."Cheguei a pensar no suicídio, como é óbvio - isso faz parte da doença. Nunca pensei objectivamente, mas havia alturas em que o sofrimento é tão grande que não me sentia eu", confessou. Se há dez anos não compreendia esta doença e ficou chocado com o que se passava com ele, hoje fala estando do lado de lá. "Podemos ter apoio médico, psicológico, internamento, medicamentos, choques eléctricos. O mais extremo que há. Mas temos de ser nós mesmos a resolver as situações e a dar a volta. Todo o apoio é essencial, mas se não formos nós mesmos, não há forma de sairmos da depressão."

Em 2009, António Ventura enfrentou um teste de fogo com a doença e morte do pai. "Foi a primeira vez que, perante uma situação bastante complicada, que no passado teria conduzido a uma depressão, consegui lidar bem com a situação e não [me] deprimi."

O que é que fez? "Tentei separar de mim o sofrimento do meu pai", disse Ventura, acrescentando que se ficasse deprimido não conseguiria ajudar o pai. Quando a luta terminou teve "a mesma tristeza que qualquer pessoa tem quando alguém próximo morre". É preciso não confundir tristeza com depressão.

Encontro com a Junta

Hoje, António Ventura já está a abandonar a medicação. Faz ioga, está ligado ao ténis de mesa de que gosta muito, faz parte do corpo de gerência da Associação de Apoio aos Doentes Depressivos e Bipolares (ADEB).

Às vezes colabora profissionalmente com amigos, mas um emprego fixo nunca mais teve. Os projectos acontecem de uma maneira livre, espontânea. "Não tenho chefes, não tenho colegas, o que faço não dá origem a nenhum problema porque o stress ou a responsabilidade é assumido por mim", diz.

Em 2008, depois de não poder ter mais baixas, tentou pedir a reforma de invalidez mas a Junta Médica não considerou a avaliação feita pelo psicólogo da ADEB e pelo médico psiquiatra. António Ventura recorreu, mas o pedido voltou a ser negado. "Eles acharam que estava em óptima condição para trabalhar", acentuou Ventura, indicando que a junta tem parâmetros muito restritos.

"A reforma por invalidez depende da confirmação da incapacidade por uma Junta Médica que segue, apenas, critérios científicos e deontológicos, como qualquer outro médico. Não há, nem nunca houve plafonds anuais de pensões de invalidez", enunciou por e-mail Cláudia Henriques, assessora do Ministério do Trabalho e Segurança Social.

O psiquiatra António Leuschner diz conhecer todo o género de casos de Junta Médica. Pessoas que, na sua opinião, mereciam a reforma e não a obtiveram, pessoas que conseguiram a reforma embora o médico achasse que não a mereciam. Também conhece casos justos, mas respeita os pareceres da junta: "Não é só porque uma pessoa se sente inválida que é considerada inválida. Há critérios que à partida são validáveis."

De qualquer modo, António Ventura vai ter de esperar até aos 65 anos para lhe ser concedido a reforma pelos seus anos de trabalho: "Pedi o subsídio de desemprego mas não consegui, porque para o obter é necessário ter estado a trabalhar nos últimos 400 e tal dias." Segundo o Portal do Cidadão são 450.

Sandra Jesus conseguiu há quatro anos aquilo que a Junta Médica negou a António Ventura. Aos 33 anos descobriu-se reformada. "Há uma negação em que me vejo - com 33 anos, reformada e inválida. Uma pessoa parece que se sente a cair num poço, tenho esta idade mas já estou inválida."Sandra é mãe de três filhos e desde a adolescência que tem problemas: primeiro com a comida, foi-lhe diagnosticado bulimia e anorexia, sempre acompanhadas com depressão. Finalmente, há um ano e meio descobriu que era bipolar.

Os episódios depressivos que vai vivendo já a levaram a tentar o suicídio quatro vezes: "A dor que se sente numa depressão é tão intensa, tão grande, às vezes sem razão, é como se não fizéssemos parte deste mundo." Hoje continua a debater-se com a doença. "Estou neste momento a passar por mais uma fase bastante complicada em que estou novamente em risco de vida pois cheguei aos 38 quilos", disse por e-mail, há poucos dias.

Apesar de os factores genéticos e fisiológicos serem importantes na causa da doença bipolar, que afecta um por cento da população portuguesa, o stress que cada pessoa enfrenta e a personalidade de cada um são importantes no desencadeamento de uma crise.

É por isso que o Coordenador Nacional para a Saúde Mental defende que mais importantes do que os pormenores a nível de trabalho, o ideal seria prevenir o máximo possível os casos de depressão e de qualquer doença. "O que interessa assegurar é que haja mecanismos que ajudem num primeiro nível as pessoas que estão deprimidas", declara Caldas de Almeida.

Não baixar os braços

A família, as igrejas, os grupos associativossão alguns agentes sociais que podem ter um papel muito importante no tratamento da depressão. "É completamente diferente se uma pessoa com uma doença depressiva estiver numa família ou numa situação isolada onde ninguém pode ajudar", acrescenta o psiquiatra.

A resposta do Sistema Nacional de Saúde também é importante. Em 2007 o número de portugueses com acesso a cuidados de saúde mental era de 1,7 por cento da população. O coordenador completa a informação, 40 por cento dos portugueses com doenças mentais não têm acesso aos serviços de saúde mental especializado. Mas há sinais positivos, em Portugal a acessibilidade aos cuidados primários para o tratamento da depressão é acima da média europeia.

Os indicadores mostram que não se pode baixar os braços. Em 2008 houve 1035 mortes por suicídio em Portugal, a primeira causa de morte não natural. A prevalência em regiões como o Alentejo continua a ser desconhecida. De uma forma generalizada, 20 por cento de portugueses sofre de uma doença mental. Um número superior à média europeia e que representa uma realidade mais antiga do que a situação económica actual.

Alice Nobre defende que se deveria começar por dar mais informação às pessoas sobre o que é a doença mental: "Não sei se vai resultar mas é uma necessidade." Para Caldas de Almeida as empresas também têm uma responsabilidade na detecção precoce dos problemas, e deveriam estar preparadas para dar aconselhamento. Principalmente numa vida moderna onde o mundo do trabalho é cada vez mais exigente, competitivo e desafiante.

O psiquiatra José Manuel Jara tem também uma interpretação filosófica da situação actual onde, mesmo no primeiro mundo em que problemas como a fome já estão resolvidos, as pessoas arranjam outras preocupações: "Acho que o ser humano é muito incompleto e isso tem um lado bom de criatividade, mas a autocrítica e a capacidade de detectar erros não é muito grande. O ser humano conhece o mundo exterior mas não se conhece a si próprio."

No Facebook, as fotografias da canadiana continuam em rotação. Nathalie Blanchard biquíni escuro a olhar para nós. Nathalie Blanchard deitada em pose de ioga, ondas ao fundo. As fotografias não são aquilo que se espera de uma pessoa com depressão. Ainda bem.

quarta-feira, 4 de agosto de 2010

Leveza

Vivemos em tempos rápidos. Em que parece que a pressa e a urgência são o lema das sociedades.
Mas na calma e na reflexão é que pode estar a razão de sermos seres humanos não violentos, não rancorosos e caminharmos juntos para valores que nos façam mais Humanos e menos animais.

domingo, 1 de agosto de 2010

Contraluz

Vi o filme faz hoje uma semana.
Se por um lado a ideia de que não existem coincidências e que temos muitas vezes pela frente ideias, pessoas, acontecimentos que devemos saber interpretar e aproveitar, pelo outro achei o filme um pouco pobre. As coincidências quase nunca são tão evidentes. São as circunstâncias por vezes mais ténues as mais significativas.
Desta grande mensagem era merecido uma realização mais cuidada, interpretações melhor conseguidas e uma exploração duma estória não tão óbvia.
Mas fica o mais importante que é a mensagem que este mundo não entendeu nem quer entender.
NÃO HÁ COINCIDÊNCIAS

segunda-feira, 26 de julho de 2010

Galatea - "Caminos"



Descubrir que el sol,
es de donde estas
refleja horizontes
que no veras,
sin avanzar depriza !

Descubrir que nada es casualidad
camina en espiral
y regresar al mismo lugar

Encontrar el destino
que se pierde en tu sombra
y comenzar un camino
en el que pueda avanzar
Sin tropezar !

Descubrir que el sol,
es de donde estas
refleja tu nombre
que no veras ver brillar

Enfrentar que nada es casualidad
camina en espiral
y regresar al mismo lugar

Encontrar el destino
que se pierde en tu sombra
y comenzar un camino
en el que pueda abanzar
sin tropezar

El destino que se pierde en tu sombra
y comenzar un camino y avaaanzar
y encontrar el destinooo
comenzar un camino
en el que pueda avanzar
Sin tropezar !

sábado, 24 de julho de 2010

La Doppia Ora 2009



Filme italiano
Eleito o melhor filme italiano do Festival de Veneza em 2009, onde também obteve o prêmio de Melhor Atriz
Estória de amor e mistério.
Blind date. Os homens são todos iguais? Não, existe muita gente enganadora, homens e mulheres.
Gostei, mas não é dos melhores.

Dirty Pretty Things 2002


Um filme de Stephen Frears com Audrey Tautou e Chiwetel Ejiofor com excelentes desempenhos.
A dureza da vida de emigrantes em Londres, da falta de escrúpulos, do vale tudo.
Gostei.